"constituir uma ZIF é crucial para Alvares ser menos vulnerável aos grandes incêndios"

A redução efectiva de grandes incêndios em Alvares só será possível através da acção conjunta e concertada de um grande número de proprietários florestais

"ZIF: uma entidade que assegura a execução das propostas"

A entidade gestora deverá estar dotada das competências e meios adequados para assegurar o apoio aos proprietários florestais (por exemplo, ser o elo de ligação com instituições públicas e privadas) e a concretização de acções no terreno que visem a implementação das propostas 

"reorientar a atual ocupação florestal para uma paisagem mais diversificada e segura"

Aumentar os esforços de financiamento nacional para a gestão normal do minifundio privado do Pinhal Interior. É necessário também promover a implementação de um plano plurianual para a redução das cargas de combustível (p. ex. através da agricultura, da pastoricia e de fogo controlado)

A costrução/manutenção das faixas de gestão de combustível e a limpeza de matos poderão ser contratualizados pelo Estado a uma entidade gestora de uma ZIF. Esta opção gera vantagens no plano das economias de escala e da eficácia técnica 

"o ordenamento/gestão de combustíveis cria oportunidades de combate"

Aoportunidades de combate tornam a paisagem mais defensável dos incêndios se utilizados de forma eficiente

A formação de consultores locais, através do seu conhecimento detalhado da freguesia, é crucial para apoiar o combate, particularmente para aqueles que vêm de fora da região

"constituição de servidões de utilidade pública,

ou mecanismos de compensação"

A cedência de parte da propriedade para faixas de gestão de combustível deve ser compensada. Há a necessidade de reforçar as redes de defesa da floresta contra incêndios, mediante a constituição de servidões de utilidade pública ou quando se justifique, da expropriação dos respectivos terrenos

"implementar a faixa de proteção à albufeira do Cabril"

perda de rendimento pelo interesse público da protecção dos recursos hidrícos e paisagísticos deve ser compensada, e acompanhada pela execução de modelos de silvicultura de baixa intensidade na área florestal

"implementar medidas de reforço da segurança dentro das povoações"

A segurança das povoações deve ser garantida através da:

  • existência de locais de abrigo (adaptando/re-habilitando edifícios existentes ou construindo novos)

  • definição e sinalização de vias de evacuação

  • implementar simulacros e definir protocolos de evacuação

  • formar consultores locais que orientem para uma adopção de melhores comportamentos de auto-protecção

"adaptar as intervenções de emergência e socorro à hierarquia de risco das povoações"

A prioridade de intervenção/evacuação deverá respeitar o risco de cada povoação (vulnerabilidade e exposição) bem como a distância ao abrigo mais próximo. A avaliação do risco das povoações pressupõe que o mesmo seja actualizado após a implementação de propostas de ordenamento e gestão florestal

"promover a investigação aplicada"

A investigação deve suportar os processos de tomada de decisão numa lógica de gestão adaptativa. As propostas devem ser implementadas e monitorizadas no sentido de avaliar e ajustar as mesmas. Modelos de silvicultura menos convencionais, e medidas alternativas de gestão de combustíveis devem ser exploradas (ex. fogo controlado e silvopastoricia). Neste sentido a colaboração entre serviçoes de experimentação e investigação públicos e privadis é fundamental para o apoio aos gestores florestais