"o incêndio de Junho de 2017 provocou no concelho de Góis um prejuízo estimado em 20 M€"

Épossível uma paisagem em Alvares menos vulnerável aos incêndios rurais através do re-ordenamento florestal e da intensificação da gestão florestal. As medidas que se propõem foram desenhadas de modo a:

  • ter uma menor frequência de grandes incêndios, com decréscimos de área ardida entre 25 e 40%

  • ser uma freguesia mais segura, reduzindo entre 17 e 33% o número de povoações em risco Alto e Muito Alto

  • melhorar a sua economia local, com acréscimos de rendimento florestal que poderão ser superiores a 100% (excluindo proprietários indústriais)

 

Para além dos beneficios económicos para os proprietários existem os benefícios indirectos (sociedade) tais como a redução da área ardida (impacto ambiental e nos serviços e bens providenciados pela floresta) e a melhoria da segurança da população

O DIAGNÓSTICO subjacente ao histórico de grandes (com mais de 10,000 hectares) e frequentes incêndios em Alvares (desde 1975) foi dividido em três grandes factores que estiveram na origem das MEDIDAS PROPOSTAS:

  • ordenamento florestal

  • gestão florestal

  • risco e segurança da população e bens

Estudou-se o IMPACTO da implementação das MEDIDAS PROPOSTAS de ordenamento e gestão florestal na ocorrência de grandes incêndios, no rendimento florestal e no risco das povoações. A avaliação do impacto das medidas propostas incluiu ainda uma análise de custo-beneficio, bem como um estudo da adesão dos proprietários a medidas de gestão florestal 

O estudo termina com um conjunto de conclusões e RECOMENDAÇÕES cujo objectivo será desenvolver, num futuro próximo, os mecanismos que permitam a implementação das medidas propostas em outras regiões do país, que tal como Alvares, são igualmente vulneráveis à ocorrência de grandes incêndios

"propostas para a sustentabilidade social, económica e ambiental de Alvares"